sexta-feira, 25 de abril de 2008

......PARTE 5














MUITO se tem falado nas vantagens do parto natural: do método Leboyer, da posição de cócoras à moda dos índios, entre outras novas técnicas da obstetrícia, com o objetivo de tornar o nascimento de um ser humano o menos traumático possível. Sabe-se, hoje em dia, que nascer, antes de tudo, é uma experiência de dor para a criança que se esforça, junto com a sua mãe, para chegar ao mundo novo que a espera. E sabe-se, ainda, que, de acordo com as circunstâncias em que ocorre o parto, esta pode ser uma experiência muito traumática para a criança. Mas a natureza nos prega algumas peças. Nem sempre aquela mãe que se preparou durante toda a gestação para o parto normal consegue chegar a ele por motivos que fogem ao seu controle e do seu médico. São inúmeros os problemas que podem surgir na hora do nascimento e aí entram em cena as conquistas da medicina que, se não podem proporcionar uma situação ideal, vão muitas vezes reparar que poderia ser um mal maior. E o caso da cesariana, do nascimento por instrumento - o fórceps - e o parto induzido, recursos que o obstetra recorre quando existe risco de vida para a mãe ou para o bebê. Não é difícil entender porque o parto normal é a condição ideal para o nascimento de um bebê. Como o próprio nome já diz, é uma coisa natural, fisiológica. Se a gravidez transcorre normalmente e quando a mulher começa a entrar em trabalho de parto seu útero 'se contrai como é esperado e a dilatação é boa, é claro que a chance de acontecer alguma coisa de errado tanto para a mãe como para o filho é mínima. Em muito pouco tempo, mãe e filho estarão juntos, usufruindo dos primeiros contatos. Quando se fala em parto normal, que é aquele em que não se observa nenhuma anormalidade, aponta-se uma razão fundamental para que se busque durante toda a gestação essa forma de dar à luz: é a importância, já comprovada por uma série de estudos, do relacionamento entre mãe - e filho desde o primeiro momento. No parto espontâneo, a mãe ajuda seu filho a nascer, os dois se esforçam juntos e ela o acalenta logo que ele consegue, após manobras muito complexas, sair de dentro dela. É gratificante para ambos e mais ainda para o bebê que, provavelmente, não vai guardar nenhuma imagem traumática ou sensações desagradáveis desse momento que poderá ficar marcado para toda a vida no seu subconsciente, Por isso é indispensável durante toda a gravidez uma assistência médica correta, tendo como objetivo proteger a mulher e a criança. E muito importante corrigir desde o começo qualquer anomalia que surja na gestante para evitar que a gravidez com problemas a conduza a um parto perigoso. Nesse contexto, o estado emocional dessa mãe também é levado em conta.Um parto considerado fácil, que não traz maiores riscos de vida para o bebê ou a mãe, pressupõe algumas condições: que não seja demasiadamente demorado com mais de oito horas, que não leve a criança a um grande grau de anoxia - ausência de oxigênio - e que ele não seja comprimido pela estrutura fisiológica da mulher e nem traumatizado pela ação inábil do médico. A cada vez que ocorre uma das situações descritas acima, o obstetra é obrigado a recorrer aos instrumentos ou à cirurgia para garantir que no final tudo dê certo com um mínimo de dano possível. Cesariana só quando necessário. A cesariana a pedido é condenável!, costuma afirmar a maioria dos médicos. Isso porque houve um momento em que a possibilidade de marcar a data do nascimento da criança, a perspectiva de não sentir dores ou a pura vaidade sexual - o medo do alargamento do canal vaginal - levou milhares de mulheres a optar pela cirurgia para ter o seu filho. Foi um modismo que chegou chegou a questionar a famosa ética médica. A cesária, neste caso, não passa de um subproduto de uma mulher que não está preparada para a maternidade, de uma pessoa imatura. não assumida. Hoje esta moda está superada. Em seu lugar, as mulheres buscam cada vez mais a volta ao estado mais primitivo no ato de dar à luz. A cirurgia retoma ao seu lugar, ou seja, um recurso usado em situações de emergência. Isso porque não é um ato natural, é uma intervenção cirúrgica que apresenta todos os riscos de qualquer operação. Mesmo com toda a técnica, com as condições de segurança máxima dos modernos métodos de anestesia, podem ocorrer situações inesperadas, principalmente para o bebê. Por isso, a cesariana só é indicada para casos em que haja riscos para a criança ou a mãe. Se o bebê está mal colocado, transversalmente ou de nádegas; no caso de uma desproporção entre o diâmetro da sua cabeça e a bacia da mãe; quando os tecidos não se dilatam; ou em casos de hemorragias graves. E um problema sério preocupa até hoje os obstetras: o cálculo exato da data para uma cesária previamente marcada, uma vez que um erro pode ocasionar o nascimento de um prematuro, de uma criança que vai precisar de um tratamento especial para sobreviver.


Fórceps, um método pouco usado - Sem necessidade, a cesariana passa a ser uma agressão física. A criança é retirada quase que bruscamente do interior do útero onde viveu os nove meses de gestação sem o ritual da passagem pelo canal vaginal. E afinal , como já foi dito, trata-se de uma operação que requer destreza e prática do médico. E bem verdade que, quando tudo corre bem, é um alívio para todos, mas a cirurgia pode acarretar, ainda, o aparecimento de problemas respiratórios no bebê, além de aderência abdominal para a mulher. O uso do fórceps já está praticamente abolido da obstetrícia. Mas esse instrumento foi largamente usado durante muitos anos, quando representava a única saída para terminar um parto já adiantado e interrompido subitamente, com riscos de sofrimento e vida. Esse instrumento é basicamente constituído por duas colheres, feitas para se ajustarem à cabeça do bebê. Pelos perigos que podem causar, o aparelho foi simplificado pela linguagem popular que o chama, em vez de colher, de ferro. Mas o que vale não é o fórceps e sim o homem que o está manejando. Quando utilizado por mãos inábeis e quando não são observadas as condições de aplicabilidade, pode causar realmente uma série de graves problemas tanto para a mãe quanto para o filho. A parturiente corre o risco de sofrer rupturas perigosas, vaginais e de bexiga, além de outros traumatismos pélvicos. O bebê pode ser afetado por hemorragias cerebrais, afundamento da caixa craniana, lesões do couro cabeludo, contusões, hematomas e até mesmo problemas de origem nervosa. O recurso do fórceps é utilizado quando o parto já está no final. O bebê já está quase nascendo, sua cabeça já entrou na chamada bacia pequena, mas o parto não progride. O fórceps, portanto, só entra em cena quando todos os outros recursos já foram experimentados. Com a paciente anestesiada, as duas colheres do instrumento penetram no canal genital, ajustando-se inteiramente à cabeça do neném prestes a nascer. Depois que a cabeça é presa, o apare- lho manejado pelo médico imita o processo natural e a criança é suavemente retirada.


Outra opção - o parto induzido - A indução é feita quando, em determinadas condições, o prolongamento da gravidez for perigoso para a mãe e para o bebê. E o caso, por exemplo, de uma incompatibilidade de Rh, em que a continuidade da gestação expõe a criança aos anticorpos, à diabete , ao sofrimento da passagem mal-sucedida, ou quando acontece o rompimento prematuro da bolsa d'água. Nestes casos, a indução deve ser tentada, não sem antes proceder a uma avaliação da maturidade do bebê e à verificação do colo do útero que já deve estar um pouco dilatado. A finalidade da indução é fazer o parto começar de uma forma artificial, provocando as contrações uterinas, como num parto normal, dilatando o colo do útero e expulsando então o bebê espontaneamente, Não é aconselhável à gestante persuadir o médico a induzir o nascimento só porque está cansada da gravidez ou quer uma data marcada para ter o seu bebê. Uma indução mal conduzida ou em situação indesejável pode acarretar muito sofrimento para a criança devido à demora e às contrações prolongadas.



Um comentário:

Kary disse...

Obrigada Mara, pela materia... adorei viu!! saiba q to aprendendo mt coisa aki no blog!!
BjO =*